ARTE INDÍGENA & A PANDEMIA

Em tempos de grandes incertezas, é necessário transferir a nossa atenção para os mais vulneráveis. À medida que a pandemia da Covid-19 se espalhou rapidamente pelo mundo, muitas vidas indígenas foram afetadas significativamente de forma negativa.

Essas comunidades já vivem sob grandes ameaças durante circunstâncias normais, porém mesmo assim eles ainda não recebem a proteção que necessitam. Comunidades tradicionais de florestas são afetadas de maneira extremamente desproporcional pois seus acessos a recursos básicos são muito limitados, como moradia e serviços de saúde. 

Esse cenário é um produto de gerações marcadas por racismo estrutural, negligência e falta de cuidado. Finalmente, chegamos à principal questão: como podemos contextualizar a arte indígena dentro de uma pandemia global? 

Proteger a Amazônia no Brasil e os territórios aborígenes na Austrália, por exemplo, garante a segurança de artistas indígenas e suas famílias, principalmente durante uma pandemia. Quando discutimos pautas relacionadas à proteção ambiental, é igualmente necessário proteger as pessoas que moram em tais espaços, pois são fatores que contribuem para um meio ambiente rico biologicamente e culturalmente.

Conforme artistas indígenas têm sido lentamente incorporados ao mundo das artes, museus e galerias estão cada vez mais expondo obras de arte indígenas. No entanto, os próprios artistas ainda trabalham sob as regras de uma indústria bastante desigual, onde artistas indígenas são pagos muito menos do que outros grupos de artistas. Isso cria um cenário extremamente problemático: colecionadores de arte parecem saber apreciar arte indígena, mas ainda não estão suficientemente preocupados em proteger vidas indígenas. A cultura indígena não consegue sobreviver existindo sob termos meramente simbólicos. 

A IMPORTÂNCIA DO CONSUMO ÉTICO

Consumir eticamente é a forma de proteger artistas ao mesmo tempo em que contribuímos para uma economia do setor cultural mais justa. O Código Indígena tem como objetivo preservar e promover o comércio ético de arte indígena e, ao mesmo tempo, proteger contra comerciantes que não respeitam o bem-estar de suas comunidades. Eles aconselham a fazer as seguintes perguntas ao adquirir uma obra de arte indígena: 

  • Quem é o artista?
  • Qual é a origem do artista?
  • Como o artista é pago/recompensado pela venda da obra?

A instituição que você compra o trabalho de arte deve estar preparada para responder quaisquer perguntas que você tiver sobre os artistas que representam, como eles adquirem seus produtos e também oferecer transparência em torno de seus preços.  

O consumo ético é o primeiro passo na direção certa para apoiar comunidades de artistas indígenas.